quinta-feira, 14 de julho de 2016

Brasileiros falando mal do Brasil deveriam ser deportados

Sempre vejo pela internet, em páginas, em fóruns e no Facebook, brasileiros metendo o pau no Brasil. Agora nas Olimpiadas, aparece um grande número de idiotas aproveitando a oportunidade para se exibir escrevendo impropérios contra o pais, torcendo para que dê tudo errado, que apaguem a tocha, dizendo que o Rio é um lugar horrivel cheio de bandido, favela, tiro...até uma epidemia de zika inexistente inventaram.
Alguns brasileiros mal-paridos chegam ao cúmulo de escrever em ingles só para difamar o Brasil em paginas estrangeiras de jornais americanos e europeus, dizendo que o pais é horrivel, avisando aos estrangeiros para não virem, etc. Estes brasileiros na verdade não passam de párias da sociedade, querendo se exibir falando mal do Brasil em ingles só para chamar a atenção de gringos do "primeiro mundo", talvez para ver se conseguem um green-card por estarem alertando a estrangeiros que o Brasil continua sendo uma selva cheia de indios canibais e animais devoradores de gringos brancos com camera fotográfica pendurada no pescoço, de camisa estampada, calça curta, meia e sapato.   
A você que escreve em ingles difamando o Brasil: nao está aqui para ajudar? Então cai fora. você deveria ser expulso, deportado do país. Voce é um lixo da sociedade. 
Na época da Copa, foi a mesma coisa: brasileiros falando mal do país e estrangeiros não acreditando que iria dar certo, que haveriam crimes, que estádios desmoronariam, etc. Resultado: a copa foi um sucesso, uma das melhores da história, segundo todos os estrangeiros que vieram assistir.
Quero dizer o seguinte: é a primeira vez que um país latino-americano vai sediar as Olimpiadas.
O momento é de mostrar ao mundo que o Brasil pode, deve e VAI fazer um magnífico espetáculo esportivo. E, como cantou Assis Valente, "chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor"
Acha que o Rio ou o Brasil tem defeitos? Então, arregaça as mangas e vai pra rua tentar melhorar o que tá ruim. Ficar com as nádegas sentado na frente de um computador escrevendo asneira na internet, não vai resolver nada, e voce ainda vai fazer um papel ridículo para gente que voce nem conhece pessoalmente.
Que venham as Olimpiadas! O Brasil fará bonito!

sábado, 4 de junho de 2016

A Laranja Bichada da MPB


Relembrando esse samba antigo, vem a saudade dos tempos em que a música popular brasileira tinha bons arranjadores que faziam obras de arte sonoras só com instrumentos acústicos, e as composições tinham letras realmente inteligentes, algumas mesmo verdadeiras obras primas poéticas.

A culpa do que acontece hoje com a MPB não é do povo. As laranjas bichadas que são empurradas goela abaixo dos espectadores de TV, rádio e shows é culpa da indústria da música, da mídia e das gravadoras, ou como disse Elis Regina em uma entrevista, a culpa é dessa indústria que usa esses nomes "marketing", "merchandising" e "esses nomes em inglês".

Na década de 70 e 80, quando o rock imperava no Brasil, alguém disse "O samba está morrendo". Hoje, em 2016, o samba está aí, mas onde estão todas aquelas bandas de rock que infestavam os programas de auditório? Onde estão as duplas "sertanejas" que iam dar entrevista todo domingo no Faustões, Gugus e Anas Marias Braga da vida? MC Créu? Bonde do Tigrão? Onde estão?

O que é confortante, no meio desse terreno baldio sonoro gigante, ter a boa surpresa de ver aqui e ali jovens de 15, 20 anos, geralmente estudantes de música, ouvindo e tocando choro, apreciando Bossa Nova ou música dos Festivais dos anos 60. Jovens sabendo quem é Noel Rosa, Pixinguinha, Ernesto Nazareth, Tom Jobim, Waldyr Azevedo, Jacob do Bandolim, Cartola, Chico, Vandré, Edu Lobo, Elomar Figueira Melo...

Não tem poder de mídia ou do dinheiro que acabe com uma coisa que não se compra e não se vende: a ARTE.
O resto é silêncio.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Religião e Política: mistura perigosa




Misturar religião e política é muito perigoso. Líderes religiosos deveriam ser proibidos de ocupar cargos políticos. Pois um líder de uma religião, seita, ou de uma dessas "igrejas" que atualmente aparecem em cada esquina, muito provavelmente vai querer "puxar a sardinha" para a sua religião, ou seja, estando em um cargo político poderoso, poderá - ou quase certamente irá - tentar influenciar para a criação de leis que incentivem a SUA religião em detrimento de outras. E isso nunca pode acontecer.


Tem havido líderes religiosos aparecendo na mídia tentando influenciar a sociedade para que as regras da sua religião sejam impostas, e consideradas as "corretas". Dizer em um programa de TV ou Rádio que - por exemplo -  a religião X é "coisa do Diabo", é um exemplo claro dessa manipulação em eliminar religiões "concorrentes". E claro que sempre com um fundo de interesse financeiro nisso. O pensamento (nunca publicamente revelado) destes líderes é: "se eu tiro fiéis da religião X, e trago para a minha, óbvio que ganharei com isso." Financeiramente falando. Alias, nâo vou elaborar aqui o que estou querendo dizer com "financeiramente", pois creio que quem segue meus textos são pessoas inteligentes e bem informadas sobre o que está acontecendo no Brasil de alguns anos para cá
.

Não se pode transformar algo subjetivo, inventado pela cabeça das pessoas, como são as religiões, em leis irrefutáveis que tem que ser seguidas porque esse ou aquele político resolveu que um país inteiro tem que seguir a religião que ele acha certo.

Religiões não tem embasamento científico nenhum para existirem ou serem consideradas indispensáveis para a existência, a vida ou mesmo o bem-estar de seres humanos. Há pessoas que se sentem bem acreditando em uma religião. Psicologicamente. Mas isso é uma escolha pessoal de cada um, não pode ser transformado em regra. Pois se passarmos a criar leis para permitir ou incentivar algumas religiões, ou lhes dar isenção de impostos, por exemplo, e para outras religiões não, então abre-se um precedente para que se imponham leis também para que se incentivem atos e comportamentos que não é todo mundo que gosta de fazer, ou será feliz em fazer, como por exemplo, usar drogas ou praticar homossexualismo. Há pessoas que fazem essas coisas? Sim, claro, há muitas. Mas há tantas outras milhões que não fazem, não gostam e não querem fazer.

Portanto, praticar ou seguir uma religião é, e tem que continuar sendo, uma ESCOLHA, não uma IMPOSIÇÃO.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Terra de Malboro - Grupo Fulia



Pesquisando sobre os festivais da canção, encontrei essa raridade que assisti ao vivo pela TV no longínquo ano de 1982...Era o "Grupo Fulia", banda que acho que se 20 pessoas no Brasil se lembrarem pelo nome, será um milagre. 
Mas a música que eles cantaram, "Terra de Malboro", em estilo country, eu não esqueci, e acho que muitas pessoas que viram o Festival MPB Shell de 82 vão se lembrar quando verem esse video.
A letra era um deboche óbvio à Baixada Fluminense (bem pra lá, bem pra lá de Deodoro...), região do Rio de Janeiro que era (era?) muito carente e violenta, uma espécie de faroeste carioca...
Na verdade, o Grupo Fulia pode ser considerado o verdadeiro precursor dos Mamonas Assassinas, pois lançaram na TV o estilo "banda de deboche", antecipando em cerca de 10 anos o sucesso que os Mamonas fariam depois, com suas letras desbocadas e com as palhaçadas que os integrantes faziam no palco.
Alguns outros grandes sucessos do Grupo Fulia que mostram seu alto nível musical, erudição e poesia:
- Vai a merda
- Arde mas é bom
- "Chuca" blues
- Cala a boca e chupa


Para alegria dos que tem saudades do Grupo Fulia, a boa notícia é que o grupo continua existindo, porém com o sugestivo nome de "Escola de Maluco"...
Quem quiser ouvir as músicas antigas e novas do Grupo Fulia/Escola de Malucos, é só clicar aqui.
E o site oficial deles é http://escolademaluco.wix.com/escolademaluco

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Entrevista com Chico Xavier


Independente de se acreditar ou não em religiões (como eu, que sou agnóstico), este homem, durante seu passamento pela Terra, plantou uma semente de amor e fraternidade entre os seres humanos, e de conforto aos que perderam seus entes queridos.
Descanse em paz, Chico Xavier.

Demonio Colorido


Música da minha infância. Festival MPB 80.
Sandra de Sá no inicio da carreira, quando ainda usava o nome Sandrá Sá (na minha opinião, esse nome dava mais sorte pra ela)
Só não entendi o cenário do clipe, nada a ver com o tema da música. Mas esses clipes de antigamente não tinham mesmo uma produção muito arrojada, era tudo ainda muito primitivo. Em compensação, as músicas davam de 1000 a zero nas de hoje.
O tempo é assim, melhora umas coisas, piora outras.